terça-feira, 8 de março de 2011

POLITICA

Exército de Brancaleone segura a barra da Ministra Ana de Hollanda


Dentre os fatos políticos que marcam os primeiros dias do governo Dilma Rousseff, há um que beira o absurdo pela ilogicidade, que é esta campanha contra a Ministra Ana de Hollanda, só porque substituiu um nome do Partido Verde no MinC, fez mudanças em cargos de confiança e cuidou de outras alterações administrativas.

De início foi a questão de retirada do selo Creative Commons do site do MinC, um fato insignificante em termos administrativos federais, pois, segundo o site Rede Brasil Atual (http://www.redebrasilatual.com.br/multimidia/blogs/blog-na-rede/mot...), apenas 2 ministérios o adotam até agora.

Depois foi o caso Emir Sader que, de boquirroto, indelicado e arrogante, foi tratado como se fosse  vítima de algum ato atrabiliário por parte da Ministra, que apenas tornou sem efeito o convite que fora feito e zelosamente convidou o cientista social Wanderley Guilherme dos Santos para o cargo. O incrível é que há até quem do alto de sua ignorante arrogância(ou má fé) tenha a coragem de repetir o mantra desqualificante para os que estão acostumados com as "personalidade e famosos" de quinze minutos, "não sei quem essa tal de Ana de Hollanda",  como se fosse um crime alguém não ser uma celebridade  badalada pela mídia.

Agora, como fecho de ouro, numa clara demonstração de que a tentativa de demolição da Ministra Ana de Hollanda faz parte de uma forte aliança política para desestabilizar a Presidenta Dilma Rousseff, surge essa "reportagem" sobre a área ministerial e o Palácio do Planalto, sem que nenhuma fonte corrobore o que a repórter paulista da FSP diz ter acontecido, em que a Presidenta é citada como "confidente" de uma crítica à Ministra. Ora, infelizmente, há muito que a grande mídia adota a técnica de citar "várias fontes", sempre cautelosamente escondidas pelo anonimato e pelo sigilo, para divulgar boatos e realizar intrigas para incomodar e enfraquecer a credibilidade de pessoas públicas. Nesse caso, muito mais que a Ministra Ana de Hollanda, o alvo é a Presidenta Dilma Rousseff.

A questão é que tais manobras, pela falta de originalidade e eficácia veraz, servem apenas para reforçar o apoio da real esquerda à Presidenta Dilma. Assim como nos idos de 1950/60 e 1989/2008 muito se badalou sobre o fim das ideologias e da História, hoje, numa espécie de revival das teses de Daniel Bell e suas fantasias neo-industriais, a nova moda é uma visão estratégica tão ampla que supere os dilemas das divisões sociais e os objetivos problemas econômicos, de tal maneira que, através de uma "política de compartilhamento e parcerias" haja a anulação das negativas características do sistema capitalista, algo somente possível pela adoção de novos paradigmas de desenvolvimento e relações humanas, em que a tecnologia operará a factibilidade de tudo isso. Tudo sustentado na argumentação neoliberal do Manuel Castells, que a exemplo de muito acreditou na perenidade desse modo de exploração capitalista.

Ou seja, mais do que a simples queda de uma Ministra, há o objetivo de impor uma agenda política e procedimentos administrativos que tornem reais essas propostas e prontamente executáveis em larga escala. É uma nova versão do famoso "golpe de Estado", hoje, eufemisticamente chamado de revolução colorida, no caso uma "revolução verde".

A agenda negativa contra a Ministra Ana de Hollanda  seguida por  toda a Grande Mídia e parte da blogosfera, com denodado empenho, exige a fabricação de um "escândalo" por dia. É "guerrilha comunicacional" ensinada poe Gene Sharp e seguidores.

Anteontem foi o pití do Emir Sader. A ordem era transformar a Ministra, vítima de ofensas, em algoz do magister dixit. Hoje colocam a própria Presidenta no imbróglio como se fizesse sentido uma pessoa direta e decente como ela ficar falando tititis sobre seus ministros, ao invés de falar diretamente com eles caso tivesse algo a recomendar. E seria Dilma tão bobinha que faria tudo isso ao alcance dos ouvidos da FSP.
Espera-se que o exército de reserva do Partido Verde e os fanáticos pelo CC virem a público para dizer que não conhecem Wanderley Guilherme dos Santos e que discordam de  sua nomeação.







Nenhum comentário:

Postar um comentário