terça-feira, 23 de novembro de 2010

Belo retorno e sensibilidade do Braga Barros.
Simplismente não sabemos o que fazer?
Já cheguei uma vez a uma delegacia levando estas cartas acabei não sendo atendido.
Hoje conversando com uma pessoa. Refletimos que a periferia desta grande cidade está maltratada.
O que fazer aprender de fato a nos mobilizarmos quantos Nélios se fazem presente em nossa cidade.
Cade os companheiros do PT que é governo federal ?
Eles tem acesso a infraestrutura. Já mandei emails para o Senador Suplicy tentando trazer o renda minima para São José dos Campos ?
Onde anda o Sindicato dos Servidores Municipais ? Que movimentação de fato a oposição a bancada do PT tem feito na cidade?
Que isto companheiros voces não reagem ?
E se o Nelio uma hora desta leva de fato e cumpre a promessa com que cara ficaremos ?
Esta cidade precisa reagir ?

JOKA

joão carlos faria

Nélio,
    Recebi sua Carta Final. Sem ironia, pois o momento não permite, sensibilizou-me.
Ela vem reafirmar o que nós todos já sabemos que viver de arte no Brasil e, em especial em São José dos Campos é praticamente impossível. Nós "artistas" para não abandonarmos a nossa arte sempre procuramos alguma maneira de levar o gás para casa e nossa cesta básica, fora dos holofotes.
    Você tem provado que aquela máxima que afirma que o trabalho dignifica o homem não é verdade. Pois tenho visto seu trabalho (Jardins, Hortas, Representações teatrais e Performances...) sempre com muita qualidade e pesquisa. Dentro de minhas limitações tenho oferecido amizade, respeito, espaço nos eventos que estou à frente para suas apresentações e divulgação de seu trabalho.
    Não tenho nenhuma empresa, e não trabalho em nenhum órgão que possa empregá-lo dignamente. Aproveito esta minha resposta para mostrar minha profunda indignação por perceber que nossa cidade não dispõe de nenhum equipamento de acolhida a um artista de palco e de horta que está passando por necessidades e carências fundamentais para viver, sobreviver e continuar...
    Sua Carta Final deveria se tornar, de fato, uma Carta Final para estas situações de injustiça social e de início de uma acolhida mais humana e mais artística por parte de quem detém os meios e recursos para este fim.
    O primeiro impulso me leva a responder-lhe com sinceridade, sem ironia, sem demagogia que não sou a pessoa que  vai resolver esta sua situação que concordo está em seu limite, por isso respondo e torno pública a minha indignação e a minha solidariedade a você. Transformo esta carta de amigo em um manifesto para ver se consigo sensibilizar outras pessoas que possam efetivamente lhe dar o que você está precisando: emprego e salário digno.
    Aguardo você na quarta-feira para a nossa Ciranda...
José Antonio Braga Barros
/ (12) 9209 6859

Caros,

             Há tempos que venho produzindo Cultura em São José dos Campos. Como é de conhecimento de todos tenho trabalhado muito. Fiz uma via sacra pelos corredores da Câmara Municipal e até mesmo da Prefeitura (Secretaria da Juventude, da Educação , do Meio Ambiente, de Cultura, Social, Eventos e até mesmo de transportes). Sempre pedem para esperar. Já conversei, já falei gritei e Berrei. A prefeitura Municipal e até mesmo o Governo do Estado tem se utilizado de meu trabalho para se promoverem (Horta, teatro, poesia, dança...) e até agora estou passando por sérias dificuldades. Por exemplo: Ontem não comi direito e hoje nem comi ainda. Recebi uma cesta-básica na sexta-feira da SDS,recebi, agradeci e disse que não é isso que quero. Quero é direitos e não ajuda. Hoje não comi porque não tenho como fazer, pois estou sem gás de cozinha. Estou me sentindo fraco e desnutrido.
Vou participar do cortejo / protesto ou qualquer coisa que o valha de hoje e depois seguirei para o Bola de Meia onde participarei do Sarau.
          Vou daqui a pouco à SDS  D. pedro exigir vale transporte para ir à manifestação. Deverá ser um Deus nos Acuda pois ela também foi privatizada pelo atual governo. Mas se não der vou chamar a polícia.

         Mesmo com o movimento de hoje, sei que chegarei em casa na mesma situação em que saí e farei o seguinte:

     Não sairei mais de lá até que a administração Municipal resolve minha situação (Sou vítima desse governo)
     Pesso para que deixem minha família fora disso, são pessoas boas (se algo acontecer me enterrem com indigente)

Não quero frente de trabalho pois para mim é uma exploração (Sem férias, sem décimo terceiro, sem seguro desemprego e sem carteira assinada)...
        Não quero piedade quero minha cota pois sou trabalhador...


                                                                                           Nélio Fernando
                                                                               Ator e Palhaço DRT Nº 28.606