segunda-feira, 26 de julho de 2010

Joca Faria






Onde esta a revolução?



Dedicado a Ricardo Faria





As cidades se fazem presente na vida de todos nós temos alguma alternativa fora das cidades? Não sei? E a vida pública a vida comum a todos nós? Ando a observar uma ausência da chamada militância na vida pública os partidos políticos ao meu ver estão sendo esvaziados. E isto é positivo e negativo ao mesmo tempo. A parte da sociedade que reflete o mundo e tenta atuar na vida pública esta desiludida com o espectro politico que se vê. Encontro ex militantes nas ruas meus colegas de luta. E vejo a revolta e o desinteresse. Alguns migram para as ongs me elas as ongs dão as respostas? A sociedade civil no Brasil e no mundo precisa mudar. A necessidade de novas estratégias de luta social. E criar-se uma democracia de verdade. A colocação do jornalista Ricardo Faria numa entrevista em vídeo que fiz. Colocando que os partidos políticos tem dono é um fato. E a muita gente combativa que vem enche gando isto.

As vezes demora para cair a ficha e quando cai vem a desilusão. E as pessoas se caçam de tentar e vão cuidar de suas vidas privadas. E o sistema ai sae vencedor. Tem que se descobrir alguma maneira econômica de estimulo a luta social. Para que o militante tenha independência econômica e não se sujeite a entrar numa administração pública via os famosos cabides. A luta sindical também esta se esvaziando. É o momento propicio para se criar uma nova movimentação de enfrentamento a

este maléfico neo liberalismo.

Os partidos de esquerda estão rumando para uma direita bem cínica. Cobram taxas para os que trabalham em gabinetes de vereador, deputados e senadores e nas administração públicas acreditam que para conquistar o poder politico tudo vale a pena. E ai vem uma pesquisa mostrando que a América Latina continua a ser uma região rica mas com uma grande desigualdade social.

Já não acredito que governos resolvam isto. Para a sociedade urbana se vê a necessidade de criação de movimentos na linha do MST. Porque não há criação de cooperativas de trabalhadores? Nesta América Latina os despossuídos continuam cada vez mais despossuídos e vemos um medo constante na população e um medo de reagir a estes fascistas de partidos políticos gente cínica e sem nenhum caráter.

Que como diz Ricardo Faria querem perpetuar a pobreza neste continente e alguns candidatos a presidentes que criticam a esquerda de estar ligadas as farcs. Devem ser ligados a agencia de investigação Norte Americana a famosa CIA. Pois vivem indo aos Estados Unidos da América ouvir conselhos.

Como mudar este jogo perverso? E não se entregar a ele ouvirando conivente ou abandonando a luta politica? Sei que parece que estamos cada vez mais sós. Nossa juventude parece cada vez mais alienada e desinteressada da luta politica seja no Brasil na Argentina na Rússia em qualquer canto do bloco chamado emergente.

Ou até mesmo na Europa e Estados Unidos não vemos reação. E precisa-se haver uma reação a este jogo fascista que esta instaurado no mundo comteporaneo.

O ser humano não pode aceitar esta escravidão que esta imposta a ele. Uma escravidão cultural, econômica e social.

Continuaremos a ser escravos ou seremos homens livres?

A liberdade custa um alto preço e temos que pagar para conquis-tala. É hora de mudar e uma eleição no Brasil ou em qualquer parte do mundo não muda nada. Quem se elege tem compromissos com quem financiou sua eleição.

Só uma luta vinda das bases da sociedade pode mudar o jogo que esta instalado um jogo perverso que cria um desemprego estrutural. Que gera a violência e nos faz o lobo do lobo do homem.

Caro Ricardo Faria continuamos a perguntar onde esta a revolução?





João Carlos Faria





Pasárgadas





Editora
 
Entrevista o jornalista Ricardo Faria
 
http://www.youtube.com/watch?v=jD7bDnE9Pf0

domingo, 18 de julho de 2010

http://carosamigos.terra.com.br/

Retirado da Revista Caros Amigos

Nuvens de tormenta sobre o Irã




Em artigo, intelectual avalia os indícios da preparação de um possível ataque norte-americano ao Irã



Por Noam Chomsky



A grave ameaça representada pelo Irã é considerada uma das piores crises de política externa que a administração Obama enfrentará. O Congresso acaba de enrijecer as sanções contra o país, com punições mais severas para as companhias estrangeiras que comercializarem com o Irã. A administração expandiu ainda a capacidade ofensiva norte-americana na ilha africana Diego Garía, reforçada pelo Reino Unido, que expulsou a população local para que os Estados Unidos (EUA) pudessem construir ali uma grande base de ataque ao Oriente Médio e à Ásia Central.



A marinha estadunidense informou sobre o envio de uma equipe para a ilha, destinada à manutenção de submarinos portadores de mísseis Tomahawk, que, por sua vez, podem transportar ogivas nucleares. De acordo com o relatório da Marinha obtido pelo Sunday Herald (Glasgow), o equipamento militar inclui 387 bombas ‘destruidoras de bunkers’, que podem explodir estruturas subterrâneas reforçadas. "Eles estão ativando a engrenagem para a destruição do Irã", disse o diretor do Centro para Estudos Internacionais e Diplomacia da Universidade de Londres, Dan Plesch, ao jornal. "Os bombardeiros e mísseis de longo alcance estão prontos para destruir 10 mil alvos no Irã, em poucas horas", completa.



A imprensa árabe informa que uma frota americana (com um navio israelense) passou recentemente pelo Canal de Suez a caminho do Golfo Pérsico, onde sua missão era "implementar sanções contra o Irã e controlar os navios que entram e saem deste país". A mídia britânica informou também que Israel e Arábia Saudita estão formando um corredor para um possível bombardeio israelense contra o Irã (o que é negado pelos sauditas).



Retornando de uma visita ao Afeganistão para tranquilizar seus aliados na OTAN - após a demissão do general Stanley McChrystal - o almirante Michael Mulleno, chefe de Estado-Maior conjunto, visitou Israel para se reunir com o chefe das Forças Armadas e Militar de Israel, Gabi Ashkenazi, para manter, assim, o diálogo ‘estratégico’ entre as duas nações. A pauta central da reunião foi "a preparação de Israel e dos EUA ante a possibilidade de um Irã com capacidade nuclear", segundo o jornal Haaretz, que também informou que Mulleno enfatizou: "Eu sempre tento ver os desafios do ponto de vista de Israel".



Alguns analistas descrevem a ameaça iraniana em termos apocalípticos. "Os EUA devem enfrentar o Irã ou entregar o Oriente Médio", disse Amitai Etzioni. Se o programa nuclear do Irã se concretiza, segundo ele, Turquia, Arábia Saudita e outros estados se "movimentarão" em alinhamento a nova superpotência na região. Em uma retórica menos fervorosa, isto significa que uma aliança regional independendo dos EUA poderia se conformar.



Na revista do exército estadunidentes Military Review, Etzioni clama aos EUA não só um ataque contra as instalações nucleares do Irã, mas também contra seus ativos não nucleares, incluindo a infraestrutura do país, ou seja, a sociedade civil. "Esse tipo de ação militar é semelhante às sanções: causar danos visando mudar condutas, ainda que por meios mais potentes", escreve ele.



Uma avaliação oficial sobre a ameaça iraniana foi realizada em um relatório do Departamento de Defesa norte-americano submetido ao Congresso em abril passado. Os gastos militares do Irã são "relativamente baixos em relação ao resto da região", afirma o documento. A doutrina militar do Irã é estritamente "defensiva (...) destinada a retardar uma invasão e forçar uma solução diplomática aos conflitos". Ele ainda afirma que "o programa nuclear iraniano e sua vontade de manter em aberto a possibilidade de desenvolver armas nucleares (são) uma parte central de sua estratégia de dissuasão".



Para Washington, a capacidade de dissuasão do Irã é um exercício ilegítimo de soberania que interfere na geopolítica global e, especificamente, ameaça o controle estadunidense sobre os recursos energéticos do Oriente Médio. Mas a ameaça do Irã vai além da dissuasão. Teerã também está buscando ampliar sua influência na região, em contraposição a invasões e ocupações militares ‘estabilizadoras’ promovidas pelos EUA nos países vizinhos. “Para além destes crimes, o Irã está apoiando o terrorismo por meio do respaldo que dá ao Hezbollah e Hamas - as principais forças políticas no Líbano e na Palestina”, complementa o relatório do Pentágono.



O modelo de democracia no mundo muçulmano, apesar de suas falhas graves, seria a Turquia, onde as eleições são relativamente livres. A administração Obama ficou indignada quando este país se uniu ao Brasil para buscar um acordo com o Irã em relação às restrições em seu programa de enriquecimento de urânio. Os EUA reprimiram rapidamente o acordo, apresentando uma resolução no Conselho de Segurança da ONU com novas sanções contra o Irã – tão sem sentido que foi imediatamente endossada pela China, para quem, na melhor das hipóteses, a resolução evitaria a competição dos países ocidentais pelos recursos do Irã. Assim, sem nenhuma surpresa, Turquia e Brasil votaram contra a medida norte-americana, enquanto o Líbano se absteve.



Estas ações causaram um constrangimento ainda maior em Washington. Philip Gordon, o diplomata da administração Obama em assuntos europeus, advertiu a Turquia que suas ações não agradavam os EUA e que o país deveria "demonstrar seu compromisso de aliada ao Ocidente", segundo informações da Associated Press. A advertência a um aliado crucial na OTAN é uma atitude rara e a comunidade política parece concordar. Steven A. Cook, um especialista do Conselho de Relações Exteriores, afirma que a questão crucial é: "Como manter os turcos no seu caminho?" – ou seja, seguindo ordens como um bom país democrata.



Não há sinais de que outros países da região sejam mais favoráveis às sanções norte-americanas do que a Turquia. Paquistão e Irã se reuniram em Ancara, onde recentemente assinaram um acordo para a construção de um novo gasoduto. Mais preocupante para os EUA é que o gasoduto poderia ser estendido para a Índia. O tratado de 2008, em que os norte-americanos apóiam os programas nucleares da Índia, busca justamente impedir que este país se una ao gasoduto, de acordo com a avaliação de Moeed Yusuf, conselheiro em assuntos do Sul da Ásia no Instituto de Paz dos EUA.



A Índia e o Paquistão são duas das três potências nucleares que se recusaram a assinar o Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP). Israel é o terceiro. Todos eles produziram - e ainda produzem - armamentos nucleares com o apoio dos EUA.



Nenhuma pessoa em sã consciência quer que o Irã ou qualquer outro país passe a desenvolver armas nucleares. Uma maneira óbvia para atenuar ou eliminar esta ameaça é estabelecer uma zona livre de armas nucleares no Oriente Médio. Esta questão foi levantada (de novo) na conferência para o TNP nas Nações Unidas, no início de maio. O Egito - como o presidente do Movimento dos Países Não-Alinhados, que inclui 118 países - propôs que a Conferência aprovasse um plano para iniciar a negociação para um Oriente Médio livre de armas nucleares em 2011, como foi feito pelo Ocidente, incluindo os EUA, em 1995. Washington ainda esta formalmente de acordo, mas insiste que Israel seja isento de cumprir o acordo, e não deu qualquer indicação de que o próprio EUA irá fazê-lo.



Ao invés de tomar medidas concretas para combater a ameaça de proliferação nuclear no Irã ou outros países, os EUA estão se movimentando para reforçar seu controle nas principais regiões produtoras de petróleo no Oriente Médio, usando inclusive a violência, se não alcançam seus objetivos por outros meios.





Fonte: http://blogs.publico.es/noam-chomsky/10/nubes-de-tormenta-sobre-iran/

Tradução: Débora Prado