quinta-feira, 29 de abril de 2010

Sua piscina esta cheia de ratos.








Joca Faria







Depois de eu e o diretor Harley Campos um velho palhaço que contava as aventuras e desventuras da cultura sem identidade de São José dos Campos. Não porque os artistas daqui não tenham identidade talvez não tenham o espaço necessário para se desenvolver. Aqui temos sim poetas, artistas meu caro Daillor Varella você é um deles. Como esta juventude que fica sem praça. Porque a Praça não é mais do povo. E a Afundação Cassiano Ricardo não nos representa junto ao poder municipal. Virou mais uma autarquia borrrocratizada dos desgovernos do PSDB. Se a noite só ficasse nisto já estaria ganha. Pois a noite a cidade não esconde, mendigos, bixas e farrapos humanos fruto do desgoverno neo liberal da cidade. Mas Maria a Mãe de Jesus se fez mulher diante de nós e nos contou dos farrapos humanos que se dizem cordeiros mas são verdadeiros lobos. Aqui se faz acordos entre os Vermelhos do PT e os Tucanos do PSDB esta cidade esta partilhada em acordos escusos. Eu homem acostumado a ouvir as coisas mais ORRIVEIS da podridão humana me arripei. Maria que veio diretamente de Aparecida do Norte me contou das mazelas e acordos feitos nos porões da cidade. Enquanto 700 mil habitantes acreditam numa oposição e numa situação. São José é das Putas. Das Amélias,Izélias, Anaclelia, Ângela que não são mulheres de verdade. Das artimanhas de partidos quiça só seja vendidos nas Assembleias Paulistas. Pasmem senhores. É nos que somos ingênuos. A acreditar em João, Pedros e Carlos e Carlinhos que fecham acordos. Como já dizia um poeta Partidos dos Traidores assassinos da moral e da ética. E esta cidade está órfã de políticos. Eu que não vou em Rádios de Garcia que não é Lorca. De Antônio que de Santo não tem nada em eternos acordos. O leite dele se faz fazendas, iates. E o povo o ouve? Na merda sem emprego, sem asfalto, sem terrenos legalizados. E uma câmara de vereadores de verdadeiros lobos disfarçados de cordeiros dizendo amem ao sr. prefeito.

TERCEIRA via? Cade uma terceira via? Numa cidade que uma campanha para prefeitos custa trés milhões de reais. E alguém vai me convencer que não vão tirar cem vezes depois. Eu vivo numa cidade morta viva. Onde cada é cada um. E que se dane a politica para o bem comum.

Aqui não se pode gritar. Não há mais Ricardos, Loester e Saladinos eles te caçam como rato te chamam como canta Cazuza de ladrão , bixa e maconheiro. Pois aqui se enchem de dinheiro. A cidade esta sitiada roubada e esfarrapada. Não há vozes não há ação e nem reação. Cade os Juizes a justiça humana. Só sera fará a justiça Divina. Que um raio lhes parta a cabeça desta cambada de canalhas desta gente vil sem nenhum caráter. Estão além de Macunaima. Estes homens e mulheres já estão mortos e ainda não o sabem. Já estão nos infernos.

A máscara desta cidade cai a cada dia e não há Chapolin Colorado para nos salvar. Nos temos que nos levantar, juntar as forças fazer levantes gerar uma nova revolução, com arte , cultura , filosofia com entendimento de que fazer politica é lutar pelo bem comum. Chega destas raposas disfarçadas de cordeiros deste falso embate entre PT X PSDB. Isto é uma grande farça um jogo de cartas marcadas. Levantemos nossos braços, erguemos nossas espadas e vamos a batalha.





João Carlos Faria



Editora Pasárgada

terça-feira, 20 de abril de 2010

Joca Faria






SÃO JOSÉ DAS INSANIDADES







Comecei um outro texto para virar um conto mas não resisti e o salvei e vim aqui para meu já´velho estilo de escrever. Sei que devo experimentar mas nada como o conforto de algo que já sabemos ou achamos que sabemos fazer. Mas voltarei ao meu conto meio para adolescentes. Que público nê. Um dos canais que o quarentão aqui gosta é a MTV. Tem o Canal Brasil sobre cinema e a TV SESC passa alguns documentários bem feitos hoje vi um sobre caminhoneiros muito bem feito um documentário provavelmente feito nos anos setenta. E os desafios são sempre os mesmos. Mas quero falar neste texto sobre o andar de ônibus ou circulares. Eita ambiente altamente social. Ali percebemos todas as tendencias e novos hábitos do povo. Assistir TV no celular, acessar a net ainda é caro mas questão de tempo fica bem barato ou de graça . O povo mandando mensagens para lá e para cá. Felizmente na minha cidade o público de ônibus são mais mulheres e vemos de todas as maneiras, novas, velhas, idosas Mas nem sempre carinhosas.

Mulher não tem nada de frágil só na aparência mesmo. Sempre ditando moda. E uma me contou uma história dizia trabalhar na Praça Afonso Pena a muitos anos atrás. Mas hoje tem outras atividades parece que é assessora na prefeitura. É que ela sabe de mais da gatunagem nesta cidade e uma maneira que encontrarão e arrumar uma vaguinha num gabinete qualquer da prefeitura.

Ela diz que o mal dela é espalhar as coisas que aconteciam na cidade para um certo jornalista que tem fama de chato. E um outro que tem um programa de rádio bem ouvido. E para ela não mais contar os bastidores da cidade arrumaram esta boquinha.

Ela consegue saber através dos contatos do sub mundo ligado aos políticos e empresários da cidade.

E achou que devia me contar algumas coisas , mas que eu não escrevesse não. E eu disse eu não. Mas sempre digo a ela que os políticos e empresários de nossa cidade são gente honrada do mais alto respeito. Na maioria vinda das Minas Gerais.

E impossível que comemorem suas armações fechando algumas boates de cidades vizinhas para festas. Até tinha um vereador que vestia as calcinha de suas colegas. E saia feliz de pois de cheirar um pó lascado. Mas eu sempre digo isto é uma calunia a classe politica da cidade é feita de gente idealista que trabalha para o bem comum. Estas pessoas são pacatas. Não andam com amantes.

Não contratam parentes e amigos nas autarquias públicas nem levam dez por cento das empreiteiras.

Nesta cidade só se arruma o centro, cheio de jardins supenso em busca de uma babilônia perdida.

É um absurdo em vez da cidade que se chama São José dos Campos alguns poetas escreverem São José das Putas. Mas digo que sempre que a opinião dela e não a minha acho que o povo vota bem. E a contagem hoje é bem honesta não é mais igual a época de Cassiano Ricardo hoje já não há o perigo do comunismo. Segundo ela o fascismo hoje é bem disfarçado. Discordo dela todos temos espaços na mídia, nos jornais os jornalistas sempre apuram tudo de uma maneira bem imparcial.

Diz ela que sou um tapado e não vejo coma a cidade é de fato. Que mentira minha cidade é cheia de artistas talentosos. Que se viram bem sem o poder público. Verdadeiros empreendedores.

Disse que já não quero mais escrever criticando ninguém que sou também tido como chato. E falei para ela sempre me contar as coisas que acontecem nesta cidade no pais e no mundo sou todo ouvidos. E agora não tem as pastelarias dos chineses que virou uma farmácia para irmos. É que ela me falou que a sociedade hoje em vês de pasteis quer é remédio para não continuar a enchegar. Disse ela que a água da Sabesp se poem fluir para as pessoas ficarem sempre calminhas. Mas eu pergunto a ela porque não sai e denuncia tudo como foi feito em Brasila no governo Arruda?

Ela diz que sou ingenuo esta cidade todo mundo ganha seu quinhão até ela.

E quando vamos para a cama ela grita e nome deste povo e suas trapaças e eu vou anotando tudo quem sabe uma hora destas sai um livro. Podem até montar uma peça nesta cidade que só retrata o caipira no teatro com umas anedotas bem fraquinhas.

E ela me pergunta sempre tem grupo de teatro nesta cidade? Tem artista de alma verdadeira.

E eu passo uma lista de blogues que me mandarão. E assim vamos entre festas de Mineiros, festas de forasteiro e a cidade cresce progride.

E eu aqui amando esta nossa cidade. Eu falo para ela você exagera somos todos tão honestos.

E aqui termino este texto pedido por telefone pelo Ricardo Faria imaginem a revisão dele lá no www.vejosaojose.com.br.



No mais um bom feriado. Pois reflexão sobre o tema de 21 de Abril ninguém vai fazer mesmo.

Beijos insanos beijos. Há é ela que me diz. Não eu.





João Carlos Faria

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Joca Faria






Hiena



Minha revolta não se vende





Manhã de sol depois de uma bela noite de outono. Trocando as fotos dos meus perfis na ueb. O mundo gira. Tudo flui a vida vai como diria Vinícius de Moraes em ondas. Há tempos estamos aqui neste pequeno planeta. E ai vivos bem vivos cheios de incidentes e acidentes. Ainda não descobri o amor. Tão distante de mim. Mas tudo é uma questão de deixar o universo nos levar como o velho Solfidone dizia que hoje vive só num shopping qualquer longe de tudo e de todos. Eu prefiro as pessoas cheias de defeitos e qualidades o ser humano é fundamental. Seja aqui ou em Nova Yorque ou na Transilvânia terra de José Serra. Eita CQC. Ontem a equipe do Entrementes fez uma entrevista com Moacyr Pinto sobre o livro Hiena Minha revolta não se vende.uma bela edição de um livro bem diagramado e bem feito agora só falta eu devorar suas páginas. Aos poucos o Brasil ganha um novo autor. Moacyr tem uma experiencia nas lutas politicas e sociais das ultimas décadas eu o conheço desde o inicio de minhas militância no fim dos anos oitenta.

Teve uma vez que fiz um discurso em um dos encontros do PT e Moacyr me apontou alguns caminhos.

E assim estamos ai nas lutas sociais eu gostaria de fazer muito mais que faço ajudar a cidade se livrar das garras do PSDB ajudar a centro esquerda no Brasil a construir um projeto politico além do PT. Adorei o governo que se encerra mas a politica deve ser sempre oxigenada com novas ideias e ações. E ler o livro sobre um militante combativo como Hiena nos ajuda a refletir. Confesso que nunca ouvido falar dele. Sempre ouvi falar de Jesus e outros sindicalistas mas de Hiena não. A vida social e politica num pais destes é difícil. As pessoas as vezes são deixadas de lado. Já perdi muitas oportunidades de emprego quando levantam nossa Capivara já era. Falta as esquerdas organizadas sacarem estas questões mas não sacam. Nossos companheiros ficam enfiados em gabinetes a vida inteira e a vida é bem mais fácil e como dentro de gabinetes o povo é que pague a conta.

Enfrentar este conservadorismo no Brasil não é fácil deveríamos criar, empresas, cooperativas para gerar emprego para ativistas chega da esquerda se acomodar a mãe estado. Ou um pai bem tranquilo

a esquerda não pode virar funcionários burocráticos.

Sei que vereadores e parlamentares fazem o que querem com seus assessores muitas vezes humilhando, tirando porcentagens do salário. Isto meu caros não é vida é uma distorção das lutas democráticas. Qualquer ser politico deve ser independente intelectual e financeiramente.

Não pode acontecer um abandono como aconteceu ao Hiena ouvi de pessoas que tem muito ex sindicalistas passando aperto Hiena não é uma exceção infelizmente é a regra. Filismente ele foi anistiado. Mas e tantos outros que lutaram para que trabalhadores e a comunidade se beneficie destas lutas. Meus caros mostrar a cara neste pais custa-ce bem alto. A maioria das pessoas tem medo de dizer o que realmente pensam. E passam a vida toda cheia de medos e angustias assim lotando os consultorios psicológicos estou fora falo o que penso e escrevo assumindo as conquencias.

Este mundo capitalista e competivo pode mudar depende de cada um de nós e Moacyr, Hiena, Elizabeth Souza com seu Entrementes cumprem suas partes e nós carápalidas vamos ficar sempre acovardados. Correndo risco de morrer de câncer.

Esta cidade São José dos Campos clama por mudanças não podemos deixar este conservadorismo tacanho do Vale do Paraíba nos amordaçar criemos novos espaços. Criemos novas lideranças sejamos elas. Façamos uma revolução de modo festivo e feliz sem cara amarrada as ferramentas estão ai. O Brasil pós Lula carece de novas utopias. Novos lideres e mudança no jeito de fazer politica. Quem em sã consciência quer estar numa câmara de vereadores ou no congresso infestado de gente mal intencionada tem parlamentares honestos que desistem de candidaturas.

O governo Lula teve que suportar este congresso mal caráter. Se não nos atentarmos as eleições parlamentares não damos a quem ganhe as eleições condições de ampliar os avanços implantados por

Lula. Hoje temos acesso a faculdades, tv a cabo, casa, carro.

Se bem que prefiro que governos invistam em transporte público de qualidade não haverá mais espaço para carros muito em breve nas grandes cidades.

Enfim procurem ler o Livro de Moacyr ele aponta alguns caminhos pois estamos ai vivos e cheios de vontade de mudar a nossa historia. Faça mo as felizes bem felizes.



João Carlos Faria



Editora Pasárgada